Taxa de abstenção em votação na Bahia foi de 23%, maior que em 2016

No estado, todas as urnas já foram apuradas, com os resultados para prefeitos e vereadores já conhecidos.

Foto: Antonio Augusto/ Ascom/ TSE

Com uma eleição atípica em plena pandemia do novo coronavírus, a taxa de abstenção no pleito realizado neste domingo cresceu. Em todo o Brasil, ela passou de 17,58% nas eleições municipais de 2016 para 23,14% neste ano. Já na Bahia, o aumento foi de 18,93% para 20,57% no primeiro turno. No estado, todas as urnas já foram apuradas, com os resultados para prefeitos e vereadores já conhecidos.

Ainda na noite desse domingo (15), o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, comemorou o índice de faltantes abaixo do esperado. “Extraordinário porque nas últimas eleições foi mais de 20% e nesta eleição, 23%, em meio a uma pandemia. Mais uma fator que precisamos comemorar”, declarou, em coletiva de imprensa.

De fato, o aumento foi pequeno se considerado que já havia uma tendência de crescimento na abstenção. Na reta final das campanhas, as perguntas “como justificar voto?” e “o que acontece se não votar?” figuraram entre as mais buscadas no Google. Cientistas políticos ouvidos pelo Bahia Notícias na semana passada analisaram que o medo de se contaminar na votação por prever aglomerações no processo seria o principal motivo a fazer eleitores não saírem de casa.

Compartilhe