Proporção de jovens ‘nem-nem’ cresce pelo 3º ano seguido na Bahia e chega a quase 30%

Segundo o IBGE, número de pessoas de 15 a 29 anos que não estudam nem trabalham no estado é maior que a média nacional.

Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil

Em 2018, quase 3 em cada 10 jovens de 15 a 29 anos de idade na Bahia (28,2%) faziam parte do grupo conhecido como “nem-nem”: não estudavam nem trabalhavam. Segundo dados divulgados hoje (6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o grupo representava quase 1 milhão de pessoas nessa situação em todo o estado (962 mil). Essa proporção cresceu pelo terceiro ano consecutivo, é maior que a média nacional (23,0%) e a nona mais elevada entre os estados.

Além disso, entre os jovens baianos de 15 a 29 anos que não estudam nem trabalham, 64,7%, ou 623 mil, não estão sequer procurando trabalho. Embora essa proporção seja apenas a 15ª entre os 27 estados, o número absoluto que ela representa (623 mil) é o segundo maior do país, ficando abaixo apenas do verificado em São Paulo (902 mil pessoas).

Em Salvador, a proporção de jovens de 15 a 29 anos que não estudavam nem trabalhavam, em 2018, era bem menor que no estado como um todo: 17,3%, o que representava 107 mil pessoas nessa situação. Era o sétimo menor porcentual entre as capitais. Entre esses jovens, menos da metade (45,9%, ou 49 mil) deixavam de procurar trabalho, quarto menor índice entre as capitais.

Compartilhe