PF abre investigação e chama candidata ‘laranja’ do PSL para depor

Apesar de ser uma das campeãs de verba pública do PSL, Lourdes teve uma votação que representa um indicativo de candidatura de fachada

A Polícia Federal chamou uma suposta candidata “laranja” do PSL para depor, de acordo com a Folha de São Paulo. Maria de Lourdes Paixão, 68, que oficialmente concorreu a deputada federal e teve apenas 274 votos, foi a terceira maior beneficiada com verba do PSL em todo o país, com R$ 400 mil depositados.

Ele teve mais recursos até do que o próprio presidente Bolsonaro e a deputada Joice Hasselmann (SP), essa com 1,079 milhão de votos. O dinheiro do fundo partidário do PSL foi enviado pela direção nacional da sigla para a conta da candidata em 3 de outubro, quatro dias antes da eleição. Na época, o hoje ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, era presidente interino da legenda e coordenador da campanha de Jair Bolsonaro (PSL), com foco em discurso de ética e combate à corrupção.

Apesar de ser uma das campeãs de verba pública do PSL, Lourdes teve uma votação que representa um indicativo de candidatura de fachada, em que há simulação de atos de campanha, mas não empenho efetivo na busca de votos.

Hoje, a publicação revelou que o Endereço da gráfica Itapissu, na grande Recife, que recebeu verba do PSL não tem uma máquina sequer. Segundo a Folha de S. Paulo, que revelou a ausência de sinais de que a empresa tenha trabalhado durante a eleição, no local, há apenas duas mesas.