Pesquisadores constatam que novo coronavírus pode infectar gatos, mas não cachorros

Os profissionais reforçam que não há motivo para alarme ou preocupação, especialmente por quem convive com gatos.

Foto: Mariana Pereira/Premierpet

Cientistas identificaram que os gatos podem ser infectados pelo novo coronavírus e passar o vírus para outros felinos. A espécie furão, conhecidos como “ferrets”, também foi apontada como suscetível à contaminação. Os cachorros, no entanto, não se mostraram tão vulneráveis ao patógeno, assim como patos, galinhas, e porcos. A constatação foi feita por pesquisadores do Harbin Veterinary Research Institute, na China.

Os resultados da pesquisa foram publicados em um artigo na revista Nature, um veículo científico. A publicação é apenas preliminar, assim como diversas pesquisas sobre o coronavírus. Os pesquisadores ainda estão fazendo descobertas sobre o vírus. Mas, de acordo com reportagem do portal Uol, cientistas consideram a descoberta importante.

Os profissionais reforçam que não há motivo para alarme ou preocupação, especialmente por quem convive com gatos. Os resultados foram alcançados a partir de experimentos em laboratório, com uma amostra pequena de animais que receberam uma dose alta de SARS-DoV-2 (nome oficial do novo coronavírus), e não representam as interações comuns que tutores têm com seus pets.

Durante a epidemia de SARS (Síndrome Respitatória Aguda), em 2003, causada por outro coronavírus, alguns estudos mostraram que os gatos poderiam ser infectados pelo vírus e passar a outros indivíduos da mesma espécie. Porém, não existem indicativos de que durante a epidemia esses animais tenham contaminado seres humanos.

Compartilhe