Operação Vírion: PF investiga fraudes em licitações para Covid na BA, DF e mais 7 estados

Mais de 150 agentes da corporação, juntamente a servidores da Controladoria-Geral da União (CGU), cumpriram 36 mandados de busca e apreensão.

Foto: Divulgação / PF

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (13) a Operação Vírion, com o intuito de investigar um suposto esquema criminoso de fraudar licitações de produtos e serviços para o enfrentamento da Covid-19 em Roraima. Mais de 150 agentes da corporação, juntamente a servidores da Controladoria-Geral da União (CGU), cumpriram 36 mandados de busca e apreensão na Bahia, no Distrito Federal e em outros sete estados.

Segundo a PF, as contratações suspeitas de irregularidades envolveriam aproximadamente R$ 50 milhões utilizados na aquisição de insumos médico-hospitalares básicos, respiradores, testes rápidos, material informativo impresso e leitos em hospitais particulares.

O inquérito aberto aponta que um ex-secretário de Saúde de Roraima teria articulado, junto a um deputado estadual, o direcionamento das contratações a empresas integrantes do suposto esquema. Ele teria promovido, também, o rateio de percentuais de quanto seria direcionado a essas empresas.

Os mandados foram expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região – MPF após representação da autoridade policial e manifestação favorável da Procuradoria Regional da República (PGR). A operação aconteceu nos seguintes estados: Amazonas, Bahia, Goiás, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Pará, Roraima, Santa Catarina e no Distrito Federal.

A CGU identificou, de acordo com a PF, indícios da prática de sobrepreço e de irregularidades nas contratações e nos pagamentos. Além disso, a CGU também teria percebido falta de transparência na execução dos recursos federais destinados à Roraima.

Compartilhe