OMS faz recomendações de testagem para ampliar tratamento de HIV

O teste de HIV é essencial para garantir que as pessoas sejam diagnosticadas precocemente e iniciem o tratamento.

Rio de Janeiro - Embalagem do autoteste para detecção rápida do vírus HIV vendido em farmácias (Tomaz Silva/Agência Brasil)

A Organização Mundial de Saúde fez novas recomendações para que as 8,1 milhões de pessoas que vivem com HIV sem diagnóstico sejam alcançadas.

O teste de HIV é essencial para garantir que as pessoas sejam diagnosticadas precocemente e iniciem o tratamento. Além disso, o teste pode garantir que pessoas que apresentam HIV negativo sejam ligadas a serviços de prevenção eficazes.

“A face da epidemia de HIV mudou dramaticamente na última década. Mais pessoas do que nunca estão recebendo tratamento, mas muitas ainda não têm a ajuda de que precisam porque não foram diagnosticadas”, declarou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

A organização recomenda que países usem o autoteste de HIV, o teste rápido, como uma porta de entrada para o diagnóstico, e então adotem a nova estratégia padrão que usa três testes reativos consecutivos para estabelecer um diagnóstico de soropositividade.

Compartilhe