Nº de casos de chikungunya na Bahia cresce 434% entre 2019 e 2020; estado teve aumento de mais de 100% em um mês

Entre dezembro de 2018 e junho de 2019, foram 4.365 casos. No mesmo período de entre 2019 e 2020, Secretaria de Saúde registrou 23.311 casos.

Foto: Divulgação

O número de casos de chikungunya na Bahia subiu de 4.365 notificações, entre dezembro de 2018 e junho de 2019, para 23.311 casos entre dezembro de 2019 e junho de 2020. Segundo a Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), o crescimento foi de 434%. [Confira medidas de prevenção abaixo]

Em maio deste ano, a pasta divulgou um balanço no qual apontou que a Bahia havia registrado 10.054 casos de chikungunya entre dezembro do ano passado e maio. Com isso, conclui-se que, só em junho, foram registrados 13.257 casos, um aumento de mais de 100% em um mês. A Sesab ainda destacou que, até o momento, constam três óbitos confirmados laboratorialmente para chikungunya, todos ocorridos em Salvador.

A secretaria informou que não houve nenhum outro país, em todo o mundo, com mais casos de chikungunya em junho que o Brasil, de acordo com o Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças, órgão de vigilância da União Europeia. E que, entre os mais de 40 mil casos no país, a maioria está na Bahia, com 41,5% das notificações, segundo dados do Ministério da Saúde,

Ainda conforme a Sesab, no total, 261 municípios baianos notificaram casos da doença, sendo que 85 deles apresentaram incidência maior ou igual a 100 casos para cada 100 mil habitantes.

A Sesab destacou que a chikungunya não é uma doença letal, mas que em pacientes idosos, portadores de reumatismo ou comorbidades como diabetes e hipertensão, podem evoluir com complicações, levando à morte.​​​

Compartilhe