Na Bahia, 74 travestis e transexuais pedem inclusão de nomes sociais no título de eleitor

Os pedidos começaram a ser apresentados aos cartórios eleitorais no dia 3 de abril e podem ser feitos até 9 de maio para votar nas eleições deste ano já com as alterações.

Setenta e quatro travestis e transexuais na Bahia pediram à Justiça Eleitoral a inclusão de seus nomes sociais no título de eleitor. Além disso, 29 baianos requisitaram a alteração de sua identidade de gênero no Cadastro Eleitoral. Os pedidos começaram a ser apresentados aos cartórios eleitorais no dia 3 de abril e podem ser feitos até 9 de maio para votar nas eleições deste ano já com as alterações. Em todo o estado, pessoas de 26 cidades fizeram solicitações de mudança à Justiça. Os maiores números vêm de Salvador e Itapé (no Sul do estado), onde 12 pessoas em cada pediram a inclusão do nome social. O levantamento foi realizado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com base em pedidos feitos até a última semana.

Mudança recente
Nome social é a forma como transexuais ou travestis querem ser reconhecidos socialmente. Já a identidade de gênero estabelece como a pessoa quer se identificar – masculino ou feminino. A opção pela autoidentificação foi reconhecida pelo TSE no dia 1º de março deste ano.

Compartilhe