Moro diz que Bolsonaro queria ‘promover rebelião armada contra governadores e prefeitos’

Presidente havia acusado o ex-ministro de ‘ignorar decretos e a lei, para dificultar posse e porte de arma para cidadão de bem’.

Foto: Arquivo/Agência Brasil

O ex-ministro da Justiça Sergio Moro divulgou uma nota, durante conversa com apoiadores na manhã de hoje (1º), em que rebate informações e críticas do presidente Jair Bolsonaro contra ele. De acordo com ele, o chefe do Executivo queria “promover uma espécie de rebelião armada” durante a pandemia de coronavírus.

Bolsonaro havia acusado Moro de “ignorar decretos e a lei, para dificultar a posse e o porte de arma de fogo para o cidadão de bem”. O ex-ministro respondeu que “sobre políticas de flexibilização de posse e porte de armas, são medidas que podem ser legitimamente discutidas, mas não se pode pretender, como desejava o presidente, que sejam utilizadas para promover espécie de rebelião armada contra medidas sanitárias impostas por governadores e prefeitos”.

Moro disse ainda que “a revogação pura e simples desses mecanismos de controle não é medida responsável” e “sobre a ofensa pessoal feita, meu entendimento segue de que quem utiliza desse recurso é porque não tem razão ou argumentos.”

Compartilhe