Médica que fez primeiro alerta sobre Ômicron diz que cepa causa ‘efeitos leves’

Coetzee ressaltou que algumas das pessoas infectadas estão sendo tratadas em casa e não houve a detecção da cepa em indivíduos vacinados.

Foto: Reprodução/YouTube/The South African Medical Association

A presidente da Associação Médica da África do Sul, Angelique Coetzee, que acompanhou dezenas de pessoas infectadas pela cepa Ômicron e fez o primeiro alerta, disse neste sábado (27) que a nova variante da Covid-19 causou apenas sintomas leves nos pacientes.

Segundo a profissional, até o momento foram registrados apenas sintomas como dores musculares, cansaço e mal-estar por 1 ou 2 dias. Tosse também é um sinal comum aos que foram identificados com a Ômicron.

As autoridades da África do Sul, país que registrou os primeiros casos da nova linhagem, ainda não há informações de manifestações mais graves da doença, a exemplo da perda de paladar e do olfato.

Coetzee ressaltou que algumas das pessoas infectadas estão sendo tratadas em casa e não houve a detecção da cepa em indivíduos vacinados. As informações são do Poder360 e do Sputnik.

Compartilhe