Mais de 1 milhão de pessoas são infectadas anualmente pelo vírus da Hepatite A

Mês de julho é dedicado à prevenção das hepatites virais; pacientes com Covid-19 podem evoluir para casos mais graves

Foto: EBC

Apesar da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), que tem afastado pacientes das rotinas de acompanhamento médico de outras patologias, julho continua sendo um mês dedicado à luta e à prevenção das hepatites virais, principais causas do câncer de fígado.

Pacientes com o novo coronavírus associado às hepatites podem manifestar formas mais graves da doença no fígado, como alertam especialistas.

A Covid-19 pode fazer algumas alterações nas enzimas do fígado, simulando uma hepatite. “Uma vez no sangue, o coronavírus, como qualquer agente infeccioso, bacteriano ou viral, pode fazer esse processo inflamatório no fígado, causando a chamada hepatite transinfecciosa”, alerta o hepatologista Allan Rêgo, coordenador do Serviço de Gastroenterologia, Hepatologia e Endoscopia Digestiva do Hospital Cárdio Pulmonar.

O médico chama a atenção dos pacientes com hepatites virais que não estão em tratamento e contraem o coronavírus. “Eles têm risco de uma evolução pior da hepatite quando em associação com o coronavírus. Por isso, a importância da manutenção do tratamento e do acompanhamento médico”, orienta Rêgo.

Compartilhe