Jogo entre Flu e Volta Redonda teve risco de contaminação em campo, dizem especialistas

É o que indicam especialistas ouvidos pelo jornal O Globo nesta segunda-feira (29).

Foto: Andre Melo Andrade/Immagini/Folhapress

A partida entre Fluminense e Volta Redonda, vencida pelo modesto clube do Rio de Janeiro por 3 a 0 no último domingo (28), no estádio Nilton Snatos, pode ter sido marcada por contaminação de coronavírus dentro do campo. É o que indicam especialistas ouvidos pelo jornal O Globo nesta segunda-feira (29).

O protocolo “Jogo Seguro” da Ferj permitiu que a partida acontecesse mesmo com três jogadores do Voltaço infectados pelo novo coronavírus após exames realizados horas antes do jogo. Não é descartada a possibilidade de outros jogadores terem o vírus ainda indetectado e serem possíveis transmissores. O teste rápido utilizado pelos clubes é considerado menos sensível para idenfificar o vírus.

“Nada é 100% garantido no coronavírus. Há a possibilidade de um falso negativo por causa da baixa carga viral da pessoa no momento do teste, por exemplo”, disse a microbiologista e virologista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Juliana Reis. Já Alberto Chebabo, infectologista do Hospital Universitário Clementino Fraga, afirmou que os jogadores do Volta Redonda vão precisar ser reavaliados.

“Uma pessoa assintomática, no caso dos jogadores, que dá negativo no exame, diminui muito a chance de estar transmitindo. Porém, o falso negativo pode acontecer e essa pessoa virar positiva num outro exame. Por isso, há a chance de contaminação durante o jogo, mesmo com pouca quantidade de vírus, por estar correndo, ofegante”, explicou. O Campeonato Carioca é a única competição no Brasil que retornou em meio à pandemia.

Compartilhe