Emocional nota 1000: alunos precisam cuidar da saúde mental na reta final para o Enem

Psicopedagogos dão dicas de como não sair do eixo e ter um fim de preparação saudável.

Giovanna tem consciência do valor do emocional na preparação para o Enem (Foto: Marina Silva/CORREIO)

Restam cerca de sete semanas para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). E, no passo que o número de dias para a prova se reduz, o nervosismo, a preocupação e a ansiedade do estudante que ralou um ano inteiro para ser aprovado aumentam. Alunos chorosos, com reações ansiosas e estressados passam a existir em maior volume nos corredores escolares. Uma realidade que, para quem tem a responsabilidade de orientar e ajudar estes jovens, só reforça o valor que o equilíbrio emocional tem na preparação dos candidatos.

Pedagogos, psicopedagogos e orientadores pedagógicos são unânimes ao ressaltar o quanto é importante não descuidar da sanidade mental enquanto se dá os últimos passos para adquirir conhecimentos que serão usados no grande dia.

Maria Fernanda Baqueiro, psicóloga e orientadora educacional do Colégio Bernoulli, por exemplo, vê a preparação psicológica como mais um assunto valioso que o estudante utiliza da hora que senta na carteira até o momento de entregar o exame ao fiscal de sala. “Entendo que a preparação emocional e o cuidado com o lado psicológico é parte do que a gente leva para a prova. Eu digo muito para os alunos que o Enem é uma matéria extra que a gente tem inteligência emocional, autoconhecimento, autoestima e autoconfiança. Elementos que precisamos levar para a prova junto com a biologia, com a física, com tudo que o estudante aprendeu”, salienta.

Preocupação

A estudante Giovanna Andrade, 17 anos, que quer cursar Direito ou Engenharia Ambiental Sanitária e até já sentiu a preocupação com a prova aumentando, mas acredita que, para ela, ainda está em níveis aceitáveis. “Penso que ansiedade e nervosismo são reações naturais do organismo mesmo. Só que em excesso pode atrapalhar, claro. É isso que eu tenho evitado para não me prejudicar, não estou tendo esse nervosismo todo justamente por saber que a preparação psicológica que faço é tão importante quanto o estudo”, diz.

Já Beatriz Mothé Fraga, 17 anos, que tem o objetivo de cursar História, não pode dizer o mesmo. Com a prova se aproximando, ela tem visto a missão de se manter tranquila ficar mais complicada. “A cada dia que passa, eu fico mais nervosa e ansiosa. Especialmente por conta da quantidade de conteúdos tanto para o exame quanto para o 3° ano do Ensino Médio. E, por causa do aumento da ansiedade e estresse, é um pouco mais difícil focar e absorver os estudos, além de afetar todas as minhas outras ações e vivências que vão além do acadêmico”, relata Beatriz.

Até quem vai fazer a prova como treineiro revela que a proximidade do Enem tira um pouco de sua tranquilidade. Caso de Manuela Victória, 16, que ainda não decidiu o que quer fazer no Ensino Superior, mas não está livre da preocupação. “Fico extremamente ansiosa para ver se eu irei me sair bem. O enem é uma experiência muito nova, ou seja, o friozinho na barriga é ainda maior. Então, a crise de ansiedade bate, a angústia de não saber como é, o medo de não conseguir fazer a tempo e ainda mais o desespero de não tirar uma nota boa ao alcance do que eu quero seguir”, diz ela. Leia mais AQUI.

Compartilhe