“Em certas horas, o silêncio é mais produtivo”, diz Neto sobre polêmicas de Bolsonaro

O baiano foi indagado pela segunda vez sobre o assunto nesta sexta-feira (2), durante a entrega de uma nova frota de automóveis para a prefeitura.

O presidente nacional do DEM, ACM Neto, comentou pela primeira vez a respeito das declarações extremistas de Jair Bolsonaro (PSL) sobre o pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, executado pela ditadura militar. Sem apresentar provas, o presidente disse que a vítima foi morta por militantes de esquerda e não pelo Estado brasileiro. O baiano foi indagado pela segunda vez sobre o assunto nesta sexta-feira (2), durante a entrega de uma nova frota de automóveis para a prefeitura.

“Não tenho que ficar comentando toda e qualquer declaração que o presidente dá. Até porque, se assim fosse, teria que abdicar das minhas importantes funções de prefeito e até de presidente nacional do Democratas, talvez tivesse que concorrer com você. Talvez até quem sabe, depois de 2021, quando eu sair da prefeitura, terei tempo livre para ter um blog, fazer uma coluna, montar um canal no YouTube e comece a comentar as declarações do presidente”, ironizou.

“Óbvio, acho que, em certas horas, o silêncio é mais produtivo. Bolsonaro tem o estilo de falar o que pensa, talvez não medindo as consequências das declarações que está dando. Eu não falaria do pai do presidente da OAB. Não falaria nem como prefeito e nem como presidente. Ele falou. Da forma como ele falou, eu não falaria. Se eu não falaria, não concordo. Agora não vou ficar censurando e nem comentando toda hora o que o presidente diz ou deixa de dizer. Repito: minha tarefa é ser prefeito e presidente do partido. Quando as declarações dele, direta ou indiretamente, tiverem consequências na Bahia, em Salvador, no Democratas, aí tenho obrigação de comentar”, completou.

Compartilhe