Decreto das armas pode levar companhias estrangeiras a cancelar voos para o Brasil

Permissão do embarque de pessoas armadas a bordo de aeronaves comerciais pode fazer com que o País seja rebaixado em auditoria.

Foto : Reprodução/Metro1

Companhias aéreas e até representantes do governo do presidente Jair Bolsonaro estão preocupados com o decreto sobre porte de armas assinado na última semana. A permissão do embarque de pessoas armadas a bordo de aeronaves comerciais pode levar companhias aéreas estrangeiras a cancelarem voos para o Brasil, e assim aumentar os preços das passagens.

Surpreendidos com o decreto, técnicos do governo agora buscam uma saída para evitar que o País seja rebaixado na auditoria que será feita pela Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) em duas semanas. Serão analisados documentos e a aplicação das normas de segurança internacional nos aeroportos.

O artigo 41 do decreto assinado por Bolsonaro retira da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac) a responsabilidade sobre a segurança nos terminais e transfere para os Ministérios da Defesa e da Justiça. A lei só entra em vigor depois que as duas pastas regulamentarem o decreto, para definir as regras de embarque de passageiros armados.

Compartilhe