Contra o Brusque, Vitória tenta sair da seca de triunfos e gols na Série B

Ao lado de Sampaio Corrêa e CSA, o Leão tem o pior ataque da Segunda Divisão, com apenas um gol marcado nas quatro primeiras rodadas.

Foto: Pietro Carpi / EC Vitória

O Vitória entra em campo pela quinta rodada da Série B, neste sábado, 19, contra o Brusque, ainda à procura do primeiro triunfo na competição nacional. A partida está marcada para o Barradão, e a bola começa a rolar a partir das 19h.

Diferentes motivos explicam o início ruim do Rubro-Negro, um deles, em particular, é o que melhor ilustra a dificuldade que o time tem para vencer: a falta de gols. Afinal de contas, no futebol é assim que funciona, a vitória só vem com gol(s).

Ao lado de Sampaio Corrêa e CSA, o Leão tem o pior ataque da Segunda Divisão, com apenas um gol marcado nas quatro primeiras rodadas. Soares balançou o barbante na estreia, contra o Guarani, e segue como único rubro-negro a ter comemorado um gol na competição até agora.

De acordo com dados do Footstats, o Vitória é o oitavo time que mais finaliza na Série B. Foram 47 disparos em quatro jogos. O problema é que mais de 60% (29) deles foram para fora. O time ainda teve uma dose de azar que contribuiu para os números negativos. Na derrota para o Náutico, por exemplo, foram duas bolas na trave.

O momento de baixa produção ofensiva passa pela má fase da dupla Samuel e David. O centroavante só foi às redes uma vez nas últimas dez partidas, e o camisa 7 vive um jejum de 12 jogos.

Além do período de seca, a situação de David gera incômodo pelo excesso de oportunidades desperdiçadas, o que o fez ir para no banco de reservas em alguns compromissos recentes.

Guilherme Santos foi o terceiro atacante que mais apareceu entre os titulares nas últimas partidas. Foi dele o gol da classificação na Copa do Brasil, contra o Inter, mas o jogador emprestado pelo Atlético-MG fez pouco diante de Guarani, Náutico e Operário-PR, nas três partidas da Série B em que ele esteve no time inicial.

Ygor Catatau, Dinei, Ronan e Samuel Granada também tiveram minutos em campo, mas nenhum deles conseguiu transformar esse tempo em bola na rede.

“O mais importante é que está todo mundo pronto para jogar. Estão focados, ligados, e a formação que for para campo vai dar o melhor”, disse o técnico Ramon Menezes, ao ser questionado sobre a falta de gols dos atacantes.

Na zona

Além do grave problema ofensivo, o Vitória também entra em campo pressionado pela posição na tabela. Os resultados finais da quarta rodada empurraram o Rubro-Negro para a zona de rebaixamento, e o time precisa pontuar para deixar o 17º lugar.

“Quando você olha a tabela, é muito ruim, mas eu estou no começo de trabalho, indo para o quarto jogo. (…) Temos que esquecer um pouco a tabela e jogar futebol. Tentar fazer um grande jogo para buscar o objetivo. (…) Tenho conversado com os atletas e passado confiança de que o trabalho vai crescer”, comentou Ramon.

O técnico do Leão teve apenas o dia de sexta-feira para trabalhar com o elenco antes da partida contra o Brusque. Ramon aproveitou o tempo para passar um vídeo sobre o adversário e ensaiou algumas jogadas de bola parada.

A partida deste sábado será a primeira na história entre Vitória e Brusque. O adversário catarinense começou bem a Série B. São três triunfos em três jogos, campanha que coloca o time na segunda posição.

Outro ponto de oposição entre Rubro-Negro e Quadricolor é o tempo de trabalho dos técnicos. Enquanto Ramon está na Toca há cerca de dez dias, Jerson Testoni comanda treinos por lá desde outubro de 2019.

Compartilhe