Congresso dá aval para Bolsonaro perdoar dívidas de R$ 1 bilhão de igrejas

Presidente tem até 11 de setembro para decidir se mantém ou não a concessão aos templos religiosos.

Foto: Carolina Antunes/PR

Um projeto aprovado pelo Congresso Nacional pode anular dívidas tributárias de igrejas acumuladas após fiscalizações e multas aplicadas pela Receita Federal. De acordo com o jornal Estadão, o valor do “perdão” seria de quase R$ 1 bilhão. A medida ainda aguarda a sanção ou veto do presidente Jair Bolsonaro (Sem partido). Ele tem até 11 de setembro para decidir se mantém ou não a benesse aos templos religiosos. A bancada evangélica é considerado um dos pilares de sustentação do governo.

No final de abril, Bolsonaro promoveu uma reunião entre o deputado federal David Soares (DEM-SP), filho do missionário R. R. Soares, e o secretário especial da Receita Federal, José Barroso Tostes Neto, para discutir os débitos das igrejas. O presidente já ordenou à equipe econômica “resolver o assunto”, mas os técnicos resistem.

David Soares foi autor da emenda que introduziu, durante a votação na Câmara dos Deputados, o perdão que pode beneficiar inclusive a Igreja Internacional da Graça de Deus, fundada pelo pai do deputado. A instituição tem R$ 37,8 milhões inscritos na Dívida Ativa da União, além de outros débitos milionários ainda em fase de cobrança administrativa pela Receita. A área econômica deve recomendar veto aos trechos que anulam as dívidas das igrejas.

Segundo a reportagem, as igrejas têm ao todo R$ 1,5 bilhão em débitos inscritos na Dívida Ativa. O perdão, no entanto, valeria apenas para as autuações sobre não pagamento de CSLL e contribuição previdenciária. A consulta pública da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) mostra que os templos acumulam R$ 868 milhões em dívidas previdenciárias de qualquer espécie (não necessariamente apenas sobre prebenda), mas não detalha débitos da CSLL.

Compartilhe