Com sistema que custará cerca de R$ 90 milhões, ministério quer unificar banco de dados da PF

Nesta terça-feira (28), haverá uma apresentação do projeto aos secretários estaduais; ministro da Justiça, André Mendonça deve participar.

Foto: Divulgação/PF

Com um gasto que deve custar cerca de R$ 90 milhões aos cofres públicos, o Ministério da Justiça quer aprovar nesta semana um projeto da Polícia Federal que vai reunir em um só lugar informações criminais de todo o país.

Atualmente, 27 bancos de dados estão em poder dos estados e não se comunicam. Apenas alguns deles estão interligados com o da PF, o que dificulta o trabalho de identificação de autorias de crimes.

Segundo informações da coluna Painel, da Folha de S.Paulo, o montante da proposta que está na mesa deverá ser custeado pelo Fundo Nacional de Segurança Pública.

A PF atua atualmente com uma base que conta com cerca de 23 milhões de pessoas cadastradas (alimentada por passaportes, crimes, registros de armas etc). O novo sistema permite chegar até 200 milhões, ou seja, toda a população brasileira.

Chamado Abis (Automated Biometric Identification System), o projeto foi levado pela Polícia Federal à Senasp (Secretaria Nacional de Segurança Pública), do Ministério da Justiça, que encampou a ideia.

Nesta terça-feira (28), haverá uma apresentação aos secretários estaduais. O ministro André Mendonça deve participar. Dois dias depois, na quinta (30), o conselho do Fundo vai analisar e decidir se aprova a proposta, já que vai custear a implementação do sistema. Em seguida, o processo vai para Mendonça, que precisa homologar a decisão do órgão.

Compartilhe