Com expectativa por 160 mil doses, Bahia se prepara para receber vacina de Oxford contra Covid-19

A pasta acrescentou que, a exemplo da Coronavac, cada pessoa imunizada receberá duas doses da vacina.

Foto: Thibault Savary | AFP

A Bahia se prepara para receber nas próximas horas as primeiras doses da vacina de Oxford/AstraZeneca, provenientes do lote que chegou nesta sexta-feira, 22, ao Brasil, vindo da Índia.

O governo do Estado estima que receberá 160 mil doses do imunizante, das 2 milhões produzidas pelo Instituto Serum. “Não recebemos o comunicado oficial do Ministério da Saúde sobre o quantitativo a ser entregue. A estimativa tem como base a população da Bahia, que corresponde a aproximadamente 8% do total do Brasil”, informou, por meio de nota, a Secretaria de Saúde do Estado (Sesab).

A pasta acrescentou que, a exemplo da Coronavac, cada pessoa imunizada receberá duas doses da vacina. Confirmado o quantitativo de 160 mil doses, o lote atenderia a 80 mil baianos.

O governador Rui Costa disse que a logística estadual está pronta para a distribuição das vacinas pelo estado, mas evitou especificar quando o lote chegará à Bahia, relembrando, inclusive, os atrasos ocorridos no envio das primeiras doses da Coronavac pelo Ministério da Saúde. “A logística para chegar na Bahia depende do ministério. Eles atrasaram bastante a entrega no primeiro lote, em quase 12 horas do horário prometido. Eu não posso falar nesse momento de horário de chegada na Bahia, porque não é o Estado que programa ir lá buscar a vacina. Eles é que enviam a vacina”, declarou o chefe do Executivo baiano.

Rui acrescentou, porém, que conseguirá distribuir as vacinas por todo o estado em um prazo máximo de 14 horas, contadas a partir da chegada do carregamento à Bahia. Para isso, segundo o governador, será repetido o planejamento utilizado para levar as doses da Coronavac a todos os municípios baianos.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que a distribuição do imunizante de Oxford para os estados será iniciada neste sábado, 23. “A logística é feita pelo general Pazuello, ministro da Saúde, junto com o ministro Fernando, da Defesa. Pode ter certeza que a Aeronáutica está aí pronta para servir ao Brasil mais uma vez e essa vacina amanhã mesmo começa a chegar aos seus destinos”, disse.

A chegada da vacina de Oxford à Bahia ajudará a ampliar o alcance da imunização entre profissionais de saúde que trabalham na linha de frente do combate à pandemia e idosos que vivem em instituições como abrigos e asilos, além de indígenas. Diante da baixa disponibilidade de vacinas, este foi o público alvo destacado na primeira fase da vacinação.

A Bahia anunciou o recebimento de 376,6 mil doses da Coronavac na última segunda-feira (18). Se confirmadas as 160 mil doses da vacina de Oxford, o estado teria 536,6 mil doses, o que ainda seria insuficiente para incluir outros grupos na vacinação.

Já foram distribuídas pelo estado 171.320 doses da Coronavac, o que corresponde a menos da metade da quantidade recebida. A Sesab esclarece, entretanto, que todo programa de imunização possui uma reserva técnica, que “destina-se à possibilidade de ser necessário algum ajuste no quantitativo de algum município ou reposição de algum frasco de vacina que quebre”.

Após os trâmites alfandegários no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, a carga vinda da índia seguiu em avião da Azul para o aeroporto Tom Jobim, no Rio de janeiro, de onde foi levada para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Conforme a instituição, as vacinas passarão por checagem de qualidade e segurança, além de rotulagem, com etiquetagem das caixas com informações em português. A previsão é de que o processo seja realizado até a manhã de sábado e os imunizantes sejam liberados para distribuição pela tarde.

“Ao longo de todo o trajeto até Bio-Manguinhos/Fiocruz, as vacinas estarão armazenadas em seis caixas do tipo pallets, que serão acondicionadas em envirotainers, pequenos containers utilizados para transportes de carga que necessita de controle de temperatura. Nesses envirotainers, as vacinas serão mantidas na temperatura entre 2 a 8ºC”, informou a Fiocruz.

Compartilhe