Cientistas descobrem variante do coronavírus em BH; cepa é combinação de 18 mutações

O risco maior de agravamento também é investigado.

Foto: NIAID / NIH

Uma nova e potencialmente perigosa variante do coronavírus foi detectada por cientistas em Belo Horizonte. A nova cepa tem uma combinação de 18 mutações nunca anteriormente descritas no Sars-CoV-2. As informações são do jornal O Globo.

Entre as 18 mutações combinadas, estão algumas compartilhadas com as variantes brasileiras P1 (originada em Manaus) e P2 (Rio de Janeiro), com a sul-africana B.1.1.351 e com a britânica B.1.1.7. — todas associadas a uma maior transmissão.

O risco maior de agravamento também é investigado. A nova variante, que pode vir a ser chamada de P4, parece ter a mesma origem que a P1 e a P2, afirma o coordenador do estudo, Renato Santana, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Cientistas acreditam que ela pode estar em circulação em outras cidades de Minas Gerais, além da capital, que têm registrado uma explosão de casos graves nas últimas semanas. Segundo Santana, a nova cepa foi identificada em dois de uma série de 85 genomas analisados e possivelmente ainda começa a se espalhar.

A nova variante foi descoberta por pesquisadores do Laboratório de Biologia Integrativa do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG e do Setor de Pesquisa e Desenvolvimento do Grupo Pardini, em colaboração com o Laboratório de Virologia Molecular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a prefeitura de Belo Horizonte.

Compartilhe