Carol Solberg recorre ao pleno do STJD contra advertência

Atleta do vôlei de praia sofreu punição por ter gritado 'Fora, Bolsonaro' em transmissão ao final de partida pelo Circuito Nacional.

Foto: FIVB/Fotos Públicas

A atleta de Vôlei de Praia Carol Solberg entrou com um recurso no pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) contra a advertência sofrida por ter gritado “Fora, Bolsonaro” durante entrevista ao vivo na primeira etapa do Circuito Nacional de vôlei de praia. Carol foi advertida com base no artigo 191, que trata das punições para quem “deixar de cumprir, ou dificultar o cumprimento de regulamento, geral ou especial, de competição”.

A jogadora é representada pelos advogados Felipe Santa Cruz, atual presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), e Leonardo Andreotti, ex-presidente do próprio STJD do Vôlei. No entendimento da defesa, mesmo permitindo que a atleta continuasse disputando o torneio, a punição era descabida.

“Estava em Saquarema jogando minha primeira etapa depois de tanto tempo sem jogar por causa da pandemia. Estava jogando terceiro lugar, tinha acabado de ganhar, estava muito, muito feliz de estar retornando ao pódio. Estava muito feliz de ter ganhado o bronze e, na hora de dar minha entrevista, apesar de toda alegria ali, não consegui não pensar em tudo o que está acontecendo no Brasil, todas as queimadas, a Amazônia, o Pantanal, as mortes por Covid e tudo mais”, relatou a atleta, no julgamento em primeira instância. Fonte: GE

Compartilhe