Bolsonaro decide suspender compra de seringas até que preços ‘voltem à normalidade’

Compra de seringas e agulhas costuma ser realizada por estados e municípios, mas governo decidiu centralizar aquisição na pandemia.

Foto: Alan Santos /PR

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (6) que a aquisição de seringas para a vacinação contra o coronavírus está suspensa até que os preços “voltem à normalidade”. A declaração foi feita cerca de uma semana após fracasso no pregão do Ministério da Saúde para compra de seringas e agulhas usadas na imunização.

“Como houve interesse do Ministério da Saúde em adquirir seringas para seu estoque regulador, os preços dispararam e o MS suspendeu a compra até que os preços voltem à normalidade. Estados e municípios têm estoques de seringas para o início das vacinações, já que a quantidade de vacinas num primeiro momento não é grande”, escreveu o chefe do Executivo federal nas redes sociais.

Na segunda-feira (4), o Ministério da Saúde informou que preparava novos pregões para adquirir os insumos, inclusive com previsão de licitações ainda neste mês. A pasta ainda não se manifestou após as declarações de Bolsonaro.

A compra de seringas e agulhas costuma ser realizada por estados e municípios. Devido à pandemia de Covid-19, o governo federal decidiu centralizar a aquisição desses insumos.

Compartilhe