Bahia é 4º estado com maior aumento na renda dos trabalhadores com auxílio emergencial

À frente do estado, estão Alagoas (132%), Sergipe (126%) e Maranhão (124%). Completa o "top 5", com aumento de 116%, o Pará.

Foto: Divulgação

Em meio aos ganhos obtidos com o auxílio emergencial, a Bahia figura como o quarto estado onde os trabalhadores tiveram maior aumento de renda em decorrência do benefício. O crescimento chegou a 119%, segundo um estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas e divulgado nesta quinta-feira (30).

À frente do estado, estão Alagoas (132%), Sergipe (126%) e Maranhão (124%). Completa o “top 5”, com aumento de 116%, o Pará.

Já nos dados gerais, o estudo identificou aumento de 24% na renda mensal dos beneficiários brasileiros. De acordo com o levantamento, sem o benefício, a queda na renda seria de 18%, o que significa que a distribuição do auxílio compensou a perda provocada pela pandemia.

“O recebimento do AE (Auxílio Emergencial) mais do que compensou a perda com pandemia para virtualmente todos os tipos de trabalho da pesquisa. Na média para todos os tipos de trabalho, a renda com o AE é aproximadamente 24% maior do que a renda usual pré-pandemia, evidenciando que o AE tem compensado as perdas de renda do trabalho no agregado”, afirmam os pesquisadores Lauro Gonzalez e Bruno Barreira, segundo o G1.

Por profissão, as que mais tiveram aumento na renda foram auxiliar de agropecuária (71%), empregado doméstico e diarista (61%), agricultor e criador de animais (59%), faxineiro e auxiliar de limpeza (52%) e porteiro e zelador (45%).

Já no âmbito informal, o aumento médio foi de 50%. A constatação é de que os trabalhadores informais seriam os mais prejudicados sem o programa, com recuo de 19% na renda.

Compartilhe