Aprovado pelo Congresso, perdão a dívida de igrejas é parcialmente vetado por Bolsonaro

Presidente aprovou trecho sobre anistia a cobranças aplicadas sobre a prebenda, mas derrubou parte sobre anulação do CSLL.

Foto: Tania Regô/Agência Brasil

Após ser fortemente desaconselhado por sua equipe econômica, liderada pelo ministro Paulo Guedes, o presidente Jair Bolsonaro oficializou ontem (13) o veto parcial do perdão a dívidas de igrejas que havia sido aprovado pelo Congresso Nacional.

O chefe do Executivo barrou o trecho que extinguiria a cobrança a igrejas da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) e anularia dívidas passadas destes templos. Apesar disso, Bolsonaro aprovou a anistia de multas e outras cobranças aplicadas sobre a prebenda, a remuneração a líderes do ministério religioso.

Em nota, a Secretaria-Geral da Presidência da República afirmou que Bolsonaro se mostrou favorável à continuidade da não tributação de templos e que o governo vai propor “instrumentos normativos a fim de atender a justa demanda das entidades religiosas”, mas não citou quais.

Compartilhe