Após ataques do PSL ao centrão, Maia encerra sessão sem finalizar MP do governo

Maia decidiu interromper a discussão após um embate da bancada do PSL com os partidos do centrão.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), encerrou, na noite desta quarta (22), a sessão de votação da medida provisória do presidente Jair Bolsonaro (PSL) que reestrutura o governo, colocando em risco novamente a validade da proposta.

Maia decidiu interromper a discussão após um embate da bancada do PSL com os partidos do centrão. “Com esse clima, tinha que encerrar a sessão. O clima ficou pesado. Melhor encerrar. Amanhã a gente retoma”, afirmou o presidente da Câmara ao deixar o plenário.

Não há, porém, garantias de que a votação será retomada nesta quinta-feira (23). A apreciação do texto na Câmara pode ficar apenas para terça-feira (28), na última semana antes de a medida perder validade, no dia 3 de junho. Para não caducar, ela ainda precisa passar pelo Senado.

Os parlamentares do centrão se irritaram depois que o PSL passou a atacá-los por causa de um destaque que trata da atuação de auditores da Receita Federal como uma medida importante no combate à corrupção.

A confusão começou depois que o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), defendeu derrubar o artigo, que foi incluído no texto pelo líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), com a anuência do Planalto.

O destaque proíbe que auditores da Receita Federal façam comunicação ao Ministério Público de situações que considerem suspeita. Pelo texto, o auditor só poderá fazer esse comunicado caso haja autorização judicial.

O líder do DEM, Elmar Nascimento (BA), subiu à tribuna para reagir às acusações dos aliados de Bolsonaro: “Aqui não se trata de corrupção, tenho 26 anos de vida pública, não aponto o dedo para ninguém. Não tenho um processo, um inquérito, não tenho uma investigação”, afirmou.

“Puxa a ficha de vocês, a folha corrida de vocês. Eu não mexo com laranja, eu não tenho plantação de laranja, eu não me escondo de Justiça. Eu não devo contas”, continuou, numa referência às investigações de candidaturas laranjas no PSL.

O líder do DEM acusou a bancada do PSL de usar um “procedimento canalha”. “O procedimento que está havendo pelo governo nesta Casa é um procedimento canalha, é um procedimento de quem não tem lealdade. De quem não tem compromisso com atividade parlamentar… isso não é procedimento de gente de bem”, disse. Leia mais AQUI.

Compartilhe