Ação da PM termina com três mortos no bairro da Liberdade, em Salvador

PM diz que operação aconteceu na rua e que encontrou corpos após troca de tiros com suspeitos de tráfico.

Foto: Arquivo pessoal

Três jovens morreram após serem baleados em uma ação da Polícia Militar na Rua Sete de Abril, que fica na comunidade do Alto do São Lourenço, no bairro da Liberdade, em Salvador. O caso aconteceu entre a noite de terça-feira (5) e a madrugada desta quarta (6), e há versões diferentes sobre o ocorrido.

De acordo com a PM, moradores acionaram a corporação para investigar uma denúncia de que havia vários homens armados e traficando drogas na localidade. A polícia detalhou que os homens teriam atirado contra os militares, que revidaram.

Depois da troca de tiros, a PM informou que os militares encontraram os três jovens no chão, feridos. Eles foram socorridos para o Hospital Geral Ernesto Simões Filho (HGESF) e não resistiram aos ferimentos.

Três revólveres, 49 pinos de cocaína e 44 pedras de crack foram apreendidos. O material foi apresentado na Corregedoria da Polícia Militar, onde a ocorrência foi registrada. Os nomes das vítimas ainda não foram divulgados.

Moradores dão versões diferentes

Os moradores da Liberdade dão uma versão diferente da apresentada pela PM. Por medo de represálias, eles preferiram não se identificar. As testemunhas contam que a polícia fazia uma operação na comunidade, quando passaram a perseguir um adolescente, de 16 anos.

O jovem passou pela Rua Sete de Abril, e entrou na casa onde uma família fazia orações. A PM invadiu o imóvel e disparou várias vezes contra a vítima, que foi levada para o Hospital Geral Ernesto Simões Filho e não resistiu aos ferimentos.

Imagens gravadas por testemunhas mostram correria e gritaria, além de tiros sendo disparados. Nos vídeos é possível ouvir uma mulher gritar por socorro e dizer que a polícia estava “matando”.

Os moradores não detalharam as outras duas mortes, mas informaram que as mulheres foram retiradas da casa invadida e levadas para um lugar seguro.

Conteúdo G1

Compartilhe